terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Bahia - Visite o Parque Estadual de Canudos

Através deste roteiro pelo Parque Estadual de Canudos, conheça a história da guerra mais sangrenta da época republicana do Brasil e a situação que mais se assemelha ao Brasil atual. Neste post, você encontrará informações de como chegar, onde ficar, onde comer em Canudos e indicações de excelentes guias que te ajudaram a conhecer a história e a geografia do local. 







  • saindo de Salvador
Canudos localiza-se a 373 km da capital baiana. São mais ou menos 6 horas de viagem de carro. Mas para visitar o Parque o ideal é se hospedar em Caldas do Jorro e fazer um bate volta. De Salvador até Caldas do Jorro são 261 km e gasta-se 4h de viagem. De Caldas do Jorro até Canudos são 177 km e gasta-se 2h de viagem. O mapa abaixo é do trajeto de Salvador até Canudos via BR- 324 e a 116:

  • Rodovias
No geral, as estradas da Bahia, estão boas e alguns trechos com pequenos buracos. A BR-116, em boa parte do trecho acima de Serrinha , não tem acostamento, e o tráfego de carretas é intenso, por isso tenha muita atenção ao trafegar. Dirigimos no trecho Euclides da Cunha/Caldas do Jorro durante a noite e foi tranquilo. A estrada que liga a BR - 116 a Canudos é excelente, mas a que liga a Canudos Velho é bem esburacada. Mas nada melhor que um excelente pirão de peixe para fazer a gente enfrentar um pequeno trecho desta estrada, rsrs.

De Salvador até Canudos pagamos apenas dois pedágios: o de Simões Filho e o de Amélia Rodrigues. Durante o dia, cuidado com animais na pista. É muito comum bodes e cabras atravessando a rodovia ...

  • de ônibus
Minha irmã foi de ônibus para Caldas do Jorro e fez da seguinte maneira: na rodoviária de Salvador ela pegou um ônibus para Feira de Santana, e de lá pegou outro ônibus para Caldas do Jorro. Em Feira de Santana tem mais horários e empresas do que em Salvador. São ônibus com destino a Paulo Afonso, Juazeiro, Ichu, Euclides da Cunha e outras cidades. Minha irmã saiu as 10h de Salvador e chegou as 15h em Caldas do Jorro, numa viagem tranquila, segundo ela. Ou seja, dá pra conhecer Caldas do Jorro mesmo se você não tiver carro.

De Salvador não há linhas direto para Canudos. De Feira de Santana a empresa que atende a Canudos é a Regional. Para informação sobre qualquer linha rodoviária na Bahia consulte o site da Agerba ou ligue (71) 3115-4887.

Empresas:
Falcão Real ( São Luiz)
Regional
Gontijo


Vamos ao roteiro pelo Parque Estadual de Canudos guiado pelo Paulo Régis ( no final do post eu deixo o contato dele) que é morador do Parque e sua família presenciou a guerra naquela época. 

Primeiro, vamos nos situar na linha do tempo ...

Quando: a Guerra de Canudos ocorre entre novembro de 1896 a outubro de 1897 durante o governo de Prudente de Morais, primeiro presidente civil da Primeira República. O governador da Bahia era Luiz Viana, sucessor de Rodrigues Lima.

Onde: sertão da Bahia, no Arraial de Canudos.

Quem: de um lado, Antônio Conselheiro, cearense que configura como um líder político e religioso e consegue em pouco tempo, ganhar a admiração e apoio de sertanejos que buscavam uma vida melhor. E do outro, o governo, que não recebia impostos desta comunidade, a igreja, que perdia os fíeis para o beato Antônio Conselheiro e os latifundiários, donos de terra que perdiam mão de obra. 

Motivo: a Bahia do século 19, vivia uma crise social, política e econômica. A República havia sido implantada há pouco tempo e a libertação dos escravos ocorreu alguns anos antes. Assim, havia muita miséria, analfabetismo, violência e desemprego e o governo pouco se importava com esta situação. Por isso, muitos viam no beato Antônio Conselheiro, uma esperança de vida melhor e formaram o Arraial de Canudos que se desenvolveu rápido chegando a uma população de mais de 25 mil pessoas que produziam, criavam animais e plantavam para sua própria subsistência. Isso incomodou e muito ao Governo, a Igreja e aos coronéis.

Significado: para mim, Canudos representa a vida do povo baiano. Uma vida de luta e resistência. Apesar das dificuldades, sobrevivemos bravamente. A Guerra de Canudos é o evento histórico que mais se assemelha ao Brasil atual, de um lado, um governo opressor e do outro, algum salvador da pátria.

Antônio Conselheiro, morre em 22 de Setembro de 1897, e a causa da sua morte é cheia de controvérsias. Uns dizem que foi disenteria, outros dizem que foi um ferimento de granada. Ele foi encontrado enterrado no Santuário de Canudos e sua cabeça foi levada para a Faculdade de Medicina da Bahia, Terreiro de Jesus, para ser estudada pelo Doutor Nina Rodrigues.

Depois desta contextualização, vamos percorrer a história através do Parque ouvindo atentamente as explicações do Paulo Régis ...

Hospital de Sangue

Local onde os militares feridos eram cuidados pelos enfermeiros que acompanhavam as tropas do exercito na época. Já os conselheiristas, buscavam a cura nas plantas medicinas que existiam na época, como também eram cuidados por Manoel Quadrado, um enfermeiro caseiro. Nesse local foi  encontrado com ajuda de Dona Isabel Oliveira, que era uma moradora do parque, vários vestígios hospitalar como seringas e outros materiais.



Alto das Memórias

Exposição fotográfica daqueles que presenciaram a Guerra e puderam contar o que presenciaram. Materializando assim o passado sangrento. Estes são antepassados daqueles que hoje recontam aqueles fatos, como por exemplo o avô do nosso guia Paulo Régis, vemos a fotografia do João Régis.



João de Régis

ardósia


Vale da Morte

Uma espécie de cemitério militar. Parte dos militares que morreram no hospital de sangue, eram jogados nas valas rasas do vale da morte onde os urubus devoravam os corpos e/ou os cachorros tomavam conta. Neste local ainda encontramos vestígios deste passado tenebroso, como crâneos e roupas militares.
ossos expostos




Trincheiras Conselheiristas

Buracos de um metro e meio onde ficavam os conselheiristas, esperando as tropas do exército que muitas das vezes não sabiam de onde viam os tiros e começavam a tirar a esmo ao ver os colegas sendo mortos pelos conselheiristas.

O Exército Brasileiro fez quatro investidas contra Canudos:
- primeira expedição: em Novembro de 1896 sob comando de Pires Ferreiras.
- segunda expedição:em Janeiro de 1897 sob comando de Febrônio Brito.
- terceira expedição:em Fevereiro de 1897 sob comando de Moreira César ( o famoso corta-cabeças)
quarta expedição:em Junho de 1897 sob o comando dos generais Artur Oscar, Silva Barbosa e Cláudio Savaget.

O gráfico abaixo foi extraído do Atlas Histórico da Fundação Getúlio Vargas e nos dá ideia da destruição que foi a quarta expedição:

gráfico disponível no site da FGV
Alto da Favela

Local que serviu de base da Força Armada em sua quarta expedição em que vieram com 50% do Exército Brasileiro (mais de 10 mil soldados) e bem equipados com canhões e granadas. Do alto da Favela temos uma vista muito bonita da antiga Canudos submergida pelas águas do Açude Cocorobó.

altar simples erguido por Sra Isabel de Régis





Um fato curioso:
"O termo favela inicialmente referia-se, no século XIX, a uma árvore muito comum na Bahia. O governo havia prometido aos soldados do Rio de Janeiro que estavam na Guerra de Canudos (1895 – 1896) entregar-lhes residências caso saíssem vitoriosos do conflito. Ao retornarem em 1897 e verem a promessa não ser cumprida, os soldados se apropriaram da região de um morro que passou, a partir daí, a ser chamado de Morro da Providência ( a primeira favela do Brasil), em referência à providência tomada pelos soldados."   Fonte: Museu de Imagens

Outeiro das Marias

Local onde beatas rezavam durante a guerra, pra tentar acalmar o fogo.  Hoje é uma bela homenagem às mulheres que bravamente morreram na guerra .




Canudos submersa 

A imagem que chama atenção no açude Cocorobó é a Igreja Matriz de Canudos submersa. Durante a seca é possível ver as ruínas da cidade. Neste ponto, o Paulo nos explica que houve três Canudos:

primeira Canudos: surgiu em 1893 às margens do Rio Vaza Barris e cresceu muito rápido. Foi rebatizada de Belo Monte e destruída pelo Exército Brasileiro entre 1896 e 1897.
segunda Canudos: surgiu em 1910 sobre as ruínas de Belo Monte ( ou Canudos), durante governo de Getúlio Vargas que autorizou a construção do açude na antiga Fazenda Cocorobó. Em 1969 Canudos foi submergida pelas águas.
terceira Canudos:O vilarejo de Cocorobó tornou-se município em 1985 e, aproveitando a fama do nome, foi batizada de Canudos, tornando-se assim a terceira cidade com este nome.





Vale da Degola

Não visitamos, apenas avistamos de longe. Neste local foram degolados cerca de 400 conselheiristas, que não juravam um viva a República, bem como pessoas que eram fiéis a Antônio Conselheiro. Todas foram degoladas, inclusive mulheres.

Chapada Equívocos

Exposição fotográficas de Trípoli Gaudenzi, que simbolizam o início do conflito. Ao fundo, no horizonte, temos as Serras dos Angicos, local onde morre Tamarindo, o segundo oficial que veio com Moreira César na terceira expedição. Um fato curioso é que Tamarindo veio com a intenção de destruir o Arraial de Canudos prometendo cortar a cabeça de vários conselheiristas, mas ao ser perseguido pelos sertanejos, ele abandona sua tropa e pronuncia uma frase emblemática: " É tempo de murici, cada um cuida de si." Tamarindo foi morto pelos Conselheiristas e sua cabeça pendurada numa árvore.

ao fundo Serra dos Angicos 

Memórias de Régis

Um pequeno museu em fase de construção em homenagem ao Senhor João de Regis, bisavô do Paulo Régis. O João Régis nasceu quatro anos depois da guerra. Sua mãe saiu para buscar alimento e não conseguiu entrar mais no Arraial Bello Monte. O mesmo correu com diversas famílias, pois Antônio Conselheiro não obrigava ninguém a ficar no Arraial de Canudos também chamado de Bello Monte.

Uma das cenas mais linda neste Parque é ver esta casinha simples de tijolo de adobe rodeada de capríneos que berram a todo momento, e uma árvore solitária no terreiro.






parte do acervo do Museu, que comprovam como esta Guerra foi sangrenta
Tivemos uma das melhores experiências neste local: poder vestir uma roupa típica do sertanejo. Muito legal!


Mirante ou Serra do Conselheiro

Daqui temos uma vista panorâmica de Canudos. Neste local funciona um projeto de audiovisual do município e tem até chuveiros com água morna para uso público.

Açude Cocorobó


Memorial de Antônio Conselheiro

Localizado na cidade de Canudos, encontramos expostos os achados arqueológicos da época da guerra, como: esqueletos, armas, cerâmicas e outros. Esses achados permitiram recompor os relatos e divulgar como foi aquele período. Encontramos também fotos de artistas como Pierre Verger e José Calazans, e recorte de jornais que noticiaram a guerra. E o que mais gostei de saber foi sobre Euclides da Cunha, nascido no Rio de Janeiro, foi um jornalista a serviço do Jornal Estado de São Paulo, enviado para acompanhar os acontecimentos da Guerra que serviram de base para a publicação do livro Os Sertões.


E para conhecer mais desta história, há uma bibliografia indicada:

Os sertões - Campanha de Canudos
Autor: Cunha, Euclídes da
Editora: Ateliê Editorial
Temas: História do Brasil, Literatura

A Revolta de Canudos
Autor: Diniz, André
Editora: Escala Educacional
Temas: História do Brasil

A Guerra Total de Canudos
Autor: Mello, Frederico Pernambucano de
Editora: A Girafa
Temas: História do Brasil

E no Youtube você encontrará o filme Guerra de Canudos, um filme brasileiro de 1997, dirigido por Sérgio Rezende e que tem no elenco: José Wilker, Cláudia Abreu, Paulo Betti e Marieta Severo, dentre outros.


Bar da Madalena, em Canudos Velho, estabelecimento famoso pelo delicioso pirão de peixe. O almoço custa 15 reais e é bem servido. Vem peixe frito e cozido, acompanhado de salada, arroz, feijão e uma salada de chuchu que você até duvida que seja o chuchu sem graça que a gente conhece, rsrs.



Canudos Velho e seu Centro Histórico


O guia Paulo Régis me indicou as seguintes opções de hospedagem em Canudos:

Hotel Brasil
Endereço: Avenida JK, 26, Canudos - BA, 48520-000
Telefone: (75) 3494-2039/ 99145-4364
Email: hotelbrasil@hotmail.com

Palace hotel
Avenida JK – Centro
Canudos – BA – 485200000
Tel: (75) 3494-2623/99177-2250

Pousada Pôr do Sol
R. Belo Monte, 558-648, Canudos - BA, 48520-000
Telefone: (75) 3494-2128

Marcelle Hotel
Endereço: Rua Ademar de Barros, s/n, Canudos - BA, 48520-000
Telefone: (75) 99108-1828

Hospedagem em Caldas do Jorro:

Pousada Cantinho da Felicidade - esta foi nossa hospedagem e gostamos muito. Local simples e aconchegante. Alugamos uma casa por 250 reais/ diária, com café da manhã, para cinco pessoas. Uma casa toda equipada, limpa e espaçosa. Quem nos recebeu foi o Sr Milton, uma pessoa extremamente gentil e que cozinha divinamente... Veja o site e confira o espaço da Pousada.

Para mais opções acesse: 





Fiz este mapa dos atrativos de Canudos que foram mencionados neste post. Basta clicar nos pontos na cor lilás para saber qual o atrativo. O Parque é mantido pela Universidade Estadual da Bahia e a entrada fica localizada às margens da BA-235. Perfeitamente sinalizada com uma estrada em excelente estado! O percurso dentro do Parque é feito em estrada de terra trafegável por qualquer carro.
  • se você deseja visitar o Parque com calma, vale se hospedar em Canudos e usar todo o dia para conhecer a localidade;
  • caso não se hospede em Canudos, é possível fazer o bate volta desde Caldas do Jorro e é bem tranquilo o trajeto e a estrada (BR 116) é boa;
  • colocamos no roteiro conhecer as araras azuis através do Projeto Jardins da Arara de Lear , na Fazenda Juazeiro, neste mesmo dia a tarde, e por isso fizemos uma visita corrida ao Memorial antônio Conselheiro;
  • lembre-se que estamos no sertão. O calor é brabo, o corpo cansa e chega uma hora que não conseguimos assimilar as informações. Por isso, é importante fazer a visita com calma, levar um lanche, beber muuuita água e almoçar no horário certo;
  • a Bahia vai muuuito além que Porto Seguro, Morro de São Paulo e Praia do Forte. Saia dessa mesmice e conheça uma das regiões mais produtivas do Brasil, o sertão baiano;
  • quantos dias é razoável para conhecer os principais atrativos desta região? Três dias, incluindo a ida e volta a partir de Salvador;
  • contato de dois guias muito bons em Canudos: João Batista (075 99183-7959 Whatsapp) e Paulo Régis (075 99123-7570 Whatsapp)


Àguas termais do sertão baiano: Caldas do Jorro, Jorrinho e Tracupá
Conheça as araras azul de lear na Bahia
Juazeiro e Petrolina
Dunas do Velho Chico
Lago do Sobradinho

Siga o Vaneza com Z em:


O blog Vaneza com Z  não possui parceria/ convênio com uma das empresas/ serviços citados no texto.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...