Quando pensamos no conceito de sustentabilidade, nos vem à mente aqueles grandes projetos dos cientistas e ativistas do meio ambiente. Mas sabia que são pequenas ações no dia a dia que contribuem para tornar o nosso lar, o planeta Terra, um lugar mais agradável? Vou apresentar para vocês a casa da Diana e do Vilmar, uma família que tive a honra de conhecer em Jacareacanga, sudoeste do Pará.
encontrou a casinha do Gilmar & Diana?rsrs

Fui convidada pela Diana para um almoço num sábado.
Quem me levou foi o esposo dela. Eles moram um pouco afastados do centro,
então fomos de moto. Muita emoção, rsrs. Passamos alguns buracos, subimos algumas
ladeiras e avistei uma casinha de madeira, solitária, junto à floresta no alto de
um morro. “Nós moramos ali!”, disse o Vilmar. Eu fiquei perplexa e animada.

Chegamos à casa e o Vilmar começou a me apresentar suas
inventividades. Uma placa solar que alimenta uma bateria e  fornece energia para a casa toda permitindo que a Diana use por exemplo, uma máquina de lavar. Ele comprou alguns equipamentos pela internet e montou tudo. Ou seja, não pagam um centavo de energia pro governo e contribuem positivamente com o meio ambiente.

Ao redor da casa, puseram uma tela
para impedir a entrada de insetos e ao mesmo tempo manter a ventilação. Moram três pessoas nesta casa, e é relativamente pequena, porém é o espaço necessário
para todos. Tem até uma redinha, pra uma soneca depois do almoço.

A Diana, é muito inteligente. Plantou
temperos verdes numas garrafas PET e pendurou ao redor da casa. Eles captam água da chuva e de um igarapé próximo da casa. A água usada
para lavar pratos, ela reutiliza para regar as plantas. Ao redor da casa, ela plantou também árvores frutíferas, raízes, abacaxis.

O banheiro eles montaram do lado
de fora com lona e cavaram uma fossa. 
Embaixo da casa, o que parece ser uma espécie de porão, tem uma rede e
futuramente será a cozinha, espaço que Dona Diana gosta muito, rsrs. Pude ver e provar alguns produtos da região como
uma excelente tapioca com recheio de leite condensado, hum… Tive uma pequena
explicação de como é feito o tucupi, o que me parece ser um caldo amarelo da
mandioca.

tucupi

uma das poucas coisas que não gosto na região norte: isso que eles chamam de farinha

cumaru

Gostou do Blog? Dá uma curtida aqui:

Uma grande vantagem da localização desta casa é a
ventilação. Vento é artigo de luxo na Região Amazônica onde faz um calor terrível.
O Vilmar desmatou esta área de assentamento (o que é permitido por lei) e construiu
a casa no alto do morro, assim a ventilação é excelente. Eu disse que ele
desmatou, porém não foi toda a área, apenas uma pequena parte para que pudessem construir, plantar e criar animais. A madeira usada para construir a casa foi a mesma do desmatamento.

área desmatada para criação de gado

entrada da floresta. Ouvi história de onça…

minha amiguinha Graziela e os abacaxis de lá que  são grandões

Diante de tamanha simplicidade desta família, e como tudo funciona muito bem de
maneira prática, me pergunto: por que desperdiçamos tempo e energia acumulando
e querendo coisas desnecessárias? Por que o simples é atraente, mas incomoda
muita gente? O que é ser feliz tendo o sustento e com o que se cobrir e ainda
contribuir com a preservação do meio ambiente? 

Finalizo com estas imagens que estarão gravadas para sempre em minha
memória e coração:

Muito obrigada Diana, Vilmar e Graziela!
Outros posts sobre o Pará:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *