Não sei dizer quando eu comecei a me interessar pelos livros do Amyr. Não sei se foi o meu espírito viajante ou quando fui buscar onde estava esta declaração:Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”.

e descobrir que este trecho encontra-se no livro Mar Sem Fim, e comprei o livro. Porém, mais do que viagens espetaculares, na verdade, expedições, os relatos de Amyr, são excelentes exemplos de organização e planejamento. Considero leitura fundamental para aqueles que amam viajar e compartilhar informações sobre viagens.Cem dias entre céu e mar,  relata todo o planejamento e execução da travessia de Luderitz, uma cidade da Namíbia, na costa da África, até o Brasil em cem dias a bordo de um barco a remo e sozinho.

Porto de Luderitz, Namíbia





E a partida? 

Estamos falando de uma viagem planejada, lembra? Então, Luderitz foi escolhida pois é desta região da costa africana que começa a Corrente Marítima de Benguela que tem sentido norte e depois se encontra com a Corrente Sul-Equatorial e depois com a Corrente do Brasil. Seguindo estas Correntes, o Amyr conseguiria chegar ao Brasil. O barco saiu do Rio de Janeiro em um navio e Amyr partiu de Luderitz em 10 de Junho de 1984.E as roupas? 

Ele deve ter levado umas 2 malas de 32kg cada, e uma mala de mão? Também não. A quantidade de roupa era proporcional ao tamanho do barco, e num dado momento, ele desistiu das roupas e passou a usar um “uniforme de trabalho”, um macacão de mergulho, com o qual suportava as águas frias e geladas do oceano.E a comunicação? 

Ele se comunicava mais com os navegadores ao seu redor que estavam preocupados com ele e lhe informavam acerca de posição e tempo, como exemplo, o Ayres da embarcação brasileira Felipe Camarão. Será que o Amyr mandava foto de tudo, a todo momento e alimentava o instagram e o facebook diariamente? Esta travessia foi feita em 1984 quando não existia a tecnologia do GPS, assim, ele se comunicava com amigos e familiares, através de um radioamador, a princípio diariamente, mas depois ele viu que isso tomava muito tempo e no final ele não ficava sabendo notícias de ninguém, então ficou ainda mais rara a comunicação com amigos e familiares.E não ter uma companhia? 

Tem um trecho que me fez rir:
“O grande problema de estar sozinho era não ter com quem reclamar das coisas que não iam bem. … Ás vezes dava graças a Deus por estar só e, num momento difícil, poder decidir com calma e sem pressões. … Um segundo tripulante não teria durado muito tempo a bordo.” E a solidão? 

O Amyr relata: ” E, isolado, também não estava. Ao redor, tudo era sinal de vida. Gaivotas e aves marinhas de todo tipo, as ondas com quem discutia, pilotos e fiéis dourados aumentando dia a dia. as imensas e amáveis baleias e mesmo os desagradáveis tubarões me faziam companhia…
Tudo, menos solidão
!”E qual foi o primeiro lugar que Amyr Klink colocou os pés ao chegar ao Brasil??? Diz aí… advinha… na Bahia! Claro, nas águas da Praia da Espera, próximo a Praia do Forte. Não haveria lugar melhor. Ele poderia ter ido mais ao Norte, para Aracaju, ou mais ao Sul, para Morro de São Paulo. O Amyr perseguiu este destino por longos dias e conseguiu chegar em 18 de Setembro de 1984, numa tarde de terça feira.

Chegada em Salvador em 19 de Setembro de 1984

Algumas lições de Cem dias entre céu e mar

Qual o nosso ponto de partida? O que levar na mala?
Para desfrutar da viagem, planeje mais (não faltam excelentes blogs para isso), organize bastante (tem aplicativos, caderno, agendas), porém leve menos. Viaje leve! Faça como o Amyr, leve o necessário, o desnecessário só atrapalha. Você já observou que há viagens em que repetimos roupas, enquanto tem peças que nem viram a luz da lâmpada?
E se eu não tiver companhia pra viajar? 
Você já percebeu que tem umas companhias de viagens que são desnecessárias? Como diz aquele ditado: antes só, do que mal acompanhado. Experimente viajar sozinho, mas cuidado pra não viciar. Descubra-se. Experimente-se. Permita-se usufruir de você mesmo, sem incômodos. Se der algo errado? Dê risada de você mesmo…
As redes sociais são legais?
São. Mas se desprenda. A viagem é sua. A viagem é pra você. Viva seu momento único e se liberte da tecnologia. A sensação de liberdade e de prazer duma viagem ( que o Amyr sentiu várias vezes em alto mar, sozinho) rede social nenhuma pode te dar. Ou você troca estas sensações por likes e compartilhamentos? Você já percebeu que estamos perdendo o prazer e a alegria de apreciar um pôr do sol, um banho de cachoeira, a risada de um bêbê, pois buscamos o melhor enquadramento, a melhor composição ou controlar a abertura e a velocidade da câmera? Você já percebeu que estamos comendo frio, não saboreando um prato corretamente, por que perdemos tempo preocupados em fotografar e compartilhar a foto (e não o alimento, rsrs)? Ah, mas eu quero dar dicas e sugestões. Beleza, quando você voltar à vida real você conta, nós aguardamos.
Um dos momentos mais emocionantes para o Amyr foi avistar a Ilha de Santa Helena que fica bem no meio do caminho entre Brasil e África. Ele pulou de alegria. Ele chorou. Será que nos emocionamos com cada realização do nosso roteiro, que planejamos com tanto carinho e talvez pensamos que não ia dar ou que não íamos chegar? Ou o objetivo é cumprir uma maratona de pontos turísticos a visitar e depois contar que apenas passamos por ali? O importante não é o destino, mas aproveitar o trajeto!
Deixo-vos um trechinho que amei:
“Dias inteiros de calmaria, noites de ardentia, dedos no leme e olhos no horizonte, descobri a alegria de transformar distâncias em tempo…. A transformar o medo em respeito, o respeito em confiança. Descobri como é bom chegar quando se tem paciência. E para se chegar, onde quer que seja, aprendi que não é preciso dominar a força, mas a razão. É preciso, antes de mais nada, querer.” 

Trajeto da África até o Brasil num barco a remo, uma travessia jamais repetida.

P.S.: agradeço a minha amiga Ester por este belo presente.

Comentários

  1. Adorei esse post e com muita curiosidade de devorar esse livro. Frases tão simples e tão sábias… quando interiorizarmos e colocarmos isso em prática, seremos certamente mais felizes 😀
    Adorei especialmente essa: "Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *